Globo antecipa laudo da madrasta de Isabella Nardoni e promotor recomendará semiaberto.


 

Com base no resultado do exame criminológico pericial, que avalia se Anna Carolina Jatobá, condenada pela morte da menina Isabella Nardoni, pode ser transferida para o regime semiaberto, a direção do presídio de Tremembé e o promotor do caso recomendarão que o benefício seja concedido pela Justiça. É o que mostra o laudo obtido pelo “Fantástico” e cujos trechos foram divulgados neste domingo (19) no programa da Rede Globo.

“Não me sinto culpada nem arrependida, porque sou inocente”, disse a madrasta da menina durante a avaliação, segundo o documento obtido pelo programa.

Anna Carolina entrou com o pedido para migrar para o regime semiaberto em abril, alegando já ter cumprido 2/5 da pena. Como os dias de cadeia dela já foram reduzidos em quase dois anos, por trabalhar como costureira na penitenciária Santa Maria Eufrásia Pelletier em Tremembé (SP), ela já atingiu o tempo mínimo para ser autorizada a ficar no semiaberto.

No documento apresentado pelo “Fantástico”, Anna Carolina afirma que aprendeu a ser mais paciente na prisão. “Vi muitas coisas erradas, mas sempre fui na minha”. Ela diz tomar remédio para ansiedade e não usar drogas.

A madrasta de Isabella diz ainda que quer continuar casada com Alexandre Nardoni, pai da menina e também condenado pela morte da criança. Anna Carolina manteve a versão contada durante o julgamento, em que nega ter matado Isabella e afirma que Alexandre subiu com a garota sozinho, deixando-a com os filhos pequenos na garagem. “Quando subimos, já tinha acontecido.”

Mesmo após sua condenação por homicídio triplamente qualificado, em 2009, o casal Nardoni nunca assumiu a culpa pelo crime. No total, Nardoni foi condenado a 30 anos e dois meses de prisão e Jatobá a 26 anos e oito meses, ambos em regime fechado.

Na prisão, Anna Carolina divide a cela com outras oito mulheres. Segundo o “Fantástico”, ela fez curso de panificação e eletricista e planeja estudar moda e abrir sua própria confecção se conseguir a permissão para o regime semiaberto. Ela poderia sair durante o dia para trabalhar e voltar para dormir no presídio. Ela ainda teria direito às saídas em datas especiais, como o próximo Dia dos Pais e o Dia das Crianças. A decisão da Justiça deve sair em dez dias.

A psicóloga responsável por traçar o perfil psicológico da madrasta de Isabella afirma que ela ter nível intelectual acima da média e a possibilidade de reincidência de Anna Carolina é nula. O documento também aponta que ela tem afetividade rasa, além de estar lúcida e amistosa.

“Gostaria de desenvolver meu lado espiritual e ajudar as pessoas”, afirma a condenada no laudo.

Para a direção do presídio, Anna Carolina reúne os requisitos para a progressão de regime semiaberto. Consultado pelo “Fantástico”, o promotor do caso, Luiz Marcelo Negrini, disse ter decidido por autorizar a progressão da pena.

Alexandre trabalha restaurando carteiras escolares. Se mantiver o mesmo esquema de trabalho, poderá entrar com o pedido de transferência para o semiaberto em julho de 2019.

Fonte: UOL